Ingovernabilidade à vista

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

“Nenhum homem pode banhar-se duas vezes no mesmo rio, pois na segunda vez o rio já não é o mesmo, tampouco o homem”. Nada mais adequado esta lição de Heráclito de Éfeso (535 a.C. a 475 a.C) para lembrar ao candidato do PT, Fernando Haddad, que os bons tempos de Lula não voltarão. A felicidade que promete não passa de quimera.

O país ainda sofre os efeitos da maior recessão econômica de sua história. No desgoverno Dilma, o desemprego subiu a 11,5% (12,3 milhões de pessoas), a inflação saltou de 5,90% para 9,28%, o PIB teve uma queda de 7,53% ao ano para uma retração de -3,90%, a dívida interna aumentou mais de 70% e algumas das maiores empresas perderam valor, como a Vale (- 63,45% no valor da ação) e a Petrobrás (-55,85%).

Em vez de garantir um Brasil “feliz de novo”, ele deveria dizer, caso eleito, como governaria um país dividido entre “nós e eles”, o PT com seus mocinhos e os adversários com os bandidos. A ala que prega essa dualidade é majoritária e quer dar o troco nos “golpistas” que aprovaram o impeachment de Rousseff.

De sua parte, o capitão Jair Bolsonaro (PSL) deveria mostrar como governaria um país rachado sob a sombra de uma identidade impregnada de conservadorismo e manifestações de racismo e homofobia. Mais: que papel terão as Forças Armadas em seu governo, sabendo-se de sua defesa dos anos de chumbo.

Sob essa sombria teia, a ingovernabilidade ameaça o próximo governo qual seja o vitorioso. O Brasil é muito diferente do governado por Lula, enquanto as condições internacionais também mudaram. A governabilidade de uma Nação resultante ainda da geopolítica mundial nesse ciclo de batalhas comerciais e protecionismo.

Se o PT voltar ao poder, com Haddad, abrirá largas fissuras em suas alas, a partir do seu núcleo “duro”, presidido por Gleisi Hoffman, defensora do indulto a Lula. O próprio poderá não desejar o perdão presidencial, mas continuará a ditar as cartas no petismo. A ala que prega mudanças insistirá na renovação partidária, visualizando o traçado pós-Lula.

Não será fácil ao PT passar uma borracha na administração anterior. Exemplo: revogar a reforma trabalhista exigirá intensa articulação no Congresso e concessões amplas aos parlamentares. Que cobrarão nacos de poder na esteira de seu pragmatismo.

Já o capitão Bolsonaro, cujo porte é bem menor do que exige a 9ª economia do mundo, teria de fazer intensa articulação para negociar na Câmara, onde passou anos no “baixo clero”, e junto ao Senado. Seu guru na economia, Paulo Guedes, abençoado pelo mercado, enfrentaria resistências para aplicar sua visão ultraliberal (“privatiza tudo”), devendo se submeter às correntes progressistas.

Mais feia será a paisagem social, com bolsonarianos e petistas em confronto que poderão deixar rastros de sangue nas ruas. O apaziguamento social só ocorreria com a volta do emprego e melhoria do bem-estar social, coisa que demora.

O desafio maior de Haddad ou Bolsonaro será o de colar os cacos de um país conflagrado por bílis, ódio e desejo de vingança.

Gaudêncio Torquato, jornalista, é professor titular da USP, consultor político e de comunicação - Twitter@gaudtorquato>

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar