Porto Itapoá incentiva música por meio de projetos culturais na cidade

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

Iniciativas contemplam crianças, jovens e adultos da comunidade

Oferecer condições para que a comunidade de Itapoá tenha mais acesso e contato com a música. Foi com esse objetivo que, há mais de quatro anos, o Porto Itapoá decidiu apoiar projetos musicais, por meio de Lei de incentivo fiscal à cultura, sendo patrocinador integral de algumas iniciativas. “Entendemos que a música ajuda a formar bases sólidas, tanto culturais, quanto de caráter, para crianças e jovens, além de inserir adultos em um ambiente artístico diverso”, avalia Cássio Schreiner, presidente do Porto Itapoá.
O primeiro projeto apoiado via Lei Rouanet foi o Vozes da Babitonga. Com quatro anos de existência, a iniciativa conta com 40 integrantes que tem a partir de 16 anos. “Itapoá estava muito longe de uma realidade de inclusão na música, por isso tivemos a ideia do coral. O Porto Itapoá foi parceiro desde o início e abraçou a ideia. Esta foi uma das primeiras ações deste tipo na cidade e temos certeza de que atividades de formação continuada proporcionam a mudança que queremos ver na nossa sociedade”, conta Helmuth Alfonso Kirinus, gestor cultural proponente do projeto.
Além do Vozes da Babitonga, o terminal apoia o Sementes do Amanhã – coral infantil, que já tem três anos de existência -, o Violão para Todos, que oferece aulas gratuitas para iniciantes -, a Orquestra de Violões, projeto para pessoas que já tocam o instrumento – e a Noite Cultural, iniciativa que está no seu quarto ano e prevê a apresentação dos participantes dos projetos musicais e de convidados, como Orquestra Prelúdio de Joinville, coro Vox Camerata e Cinema e Metais.
Todas as iniciativas são gratuitas para os participantes, realizadas semanalmente na Casa da Cultura de Itapoá. Neste ano, além dos projetos apoiados na cidade, o Porto Itapoá firmou parceria com o Instituto Core de Música, localizado em Joinville, que tem o objetivo de formar musicistas de alto desempenho para integrar orquestras infanto juvenil e jovem.
Para o maestro Sergio Ogawa, a parceria viabiliza projetos culturais, principalmente os de formação musical de base (para crianças e adolescentes). “São esses jovens que irão voltar para as suas casas e escolas e falarão de música e de arte, são eles que formarão plateia com seus familiares e amigos, atuando como excelentes cidadãos, multiplicadores da transformação sócio cultural, que tanto nosso país precisa”, ressalta.
Com isso, oito crianças e adolescentes de Itapoá integram a lista de alunos do instituto. Entre eles está Hellen, 14 anos. A adolescente, moradora do Pontal, escolheu a viola como instrumento. “Ficamos sabendo do projeto em uma reunião da associação. Ela se inscreveu e quando soube que passou ficou super feliz”, conta a mãe Priscila Foggiatto Malheiro.
A pequena Maria Clara, 8 anos, irá tocar viola e deve usar a experiência que tem no coral Sementes do Amanhã para aprimorar seus conhecimentos em música. “Sempre acreditei que a arte, seja ela qual for, pode influenciar de forma muito positiva na formação de cidadãos conscientes e participativos na sociedade. Por isso, incentivo a Maria Clara a dançar, dramatizar e cantar”, relata a mãe Luciana Fernandes Coan. Moradora de Itapema do Norte, ela ficou sabendo da seleção pelas redes sociais do Porto e inscreveu a filha. “Quando soube o resultado chorei. Ela, sem saber o motivo, me perguntou o que estava acontecendo e então eu contei. Ela ficou muito feliz e orgulhosa.”
Os irmãos Leonardo, 13 anos, e Lethícia, 10 anos também passaram na seleção. Para a mãe deles, Giselly Antunes, a oportunidade é única e pode ajudar a moldar o futuro dos filhos. “Eles estão muito empolgados e a família toda ficou muito feliz. O avô deles é músico, por isso, eles já tinham certo contato com a música. Para mim é uma tranquilidade saber que estão estudando algo que pode definir o futuro deles”, diz. Leonardo vai estudar trompa e Lethícia ficou com a flauta doce.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar