Coral Vozes da Babitonga apresenta “Cantar é Preciso”

Avaliação do Usuário

vozes da babitonga1

 

No próximo dia 16 de outubro, às 20h00min, a Casa da Cultura de Itapoá será palco da 1ª apresentação do Coral Vozes da Babitonga, que se chamará “Cantar é Preciso”. O nome faz uma referência ao poema “Palavras de Pórtico” do poeta português Fernando Pessoa e ainda homenageia o Porto Itapoá, patrocinador do Coral Vozes da Babitonga. “Cantar, com certeza, é necessário e exige, também, precisão. Neste último ponto, estamos bem orientados pelo ouvido ‘biônico’ do nosso maestro [Rafael Daniel Huch], que já conduziu várias tripulações em segurança através do sonho de realizar melodias e encantos”, explica Helmuth Alfonso Kirinus – o professor Mutti – proponente do projeto que originou o Coral.


“Contamos com a presença de todos os amantes da música, da arte e da cultura. A presença de cada um é importante e faz toda a diferença, pois só assim podemos mudar o cenário artístico e cultural da Cidade. Participando e assistindo os eventos culturais da nossa bela Itapoá, contribuímos para que esses voltem a ser realizados e, através de um gesto simples, estamos, como diz o poema supracitado [Palavras de Pórtico – Fernando Pessoa], contribuindo para a evolução da humanidade”, convida o professor Mutti.


De acordo com a coordenação da Escola de Música Tocando em Frente, responsável pela execução do projeto, o Coral Vozes da Babitonga tem superado as expectativas, tendo como pontos bastante positivos o empenho e a união dos participantes.


Agora, ansioso, o grupo aguarda pela sua primeira apresentação. “Toda estreia dá um friozinho na barriga, mas todos confiamos muito no trabalho do Maestro, que, nos ensaios, demonstra muita segurança e nos conduz com muita propriedade e competência. Com certeza, será uma bela apresentação. Esperamos pelo acolhimento da comunidade e também pela divulgação dos participantes e da mídia local, resultando em um bom público. A expectativa em torno dessa primeira apresentação é grande. Há bastante gente curiosa e querendo assistir aquilo que se vem ensaiando nesses dois meses e meio”, conclui Mutti.


Os ensaios do Coral Vozes da Babitonga tiveram início no mês de agosto e, para essa apresentação, foi preparado um programa leve, com alguns cânones, composições eruditas e populares. Serão dez composições no programa, três com a cantora Karla Ziemer (soprano lírico) e sete com o Vozes da Babitonga. “Além de desenvolver a musicalidade dos munícipes integrantes do grupo, outro objetivo é a formação de plateia, que considero essencial para o desenvolvimento cultural da Cidade”, conclui o maestro Rafael Daniel Huch.

A programação dessa apresentação do dia 16 de outubro contempla a execução de 10 canções, sendo elas:
1 - Nesta rua tem um bosque - Folclore brasileiro, arranjo de Heitor Villa Lobos;
2 - Nel cor piú no mi sento - Giovanni Paisiellos;
3 - Bachianas nº 5 – Aria;
4 - Vem cantar - autor desconhecido;
5 - Desperta no campo – Folclore;
6 - Tudo na terra perecerá – cânone;
7 - Alleluja - Mozart - KV 165;
8 - Dona Nobis Pacem - autor desconhecido;
9 - O Som da Pessoa - Gilberto Gil;
10 - Amigos para Sempre - Andrew Lloyd Webber e Don Black /Versão de C. Carvalho.


Sobre o Coral Vozes da Babitonga

Quem explica esse Coral itapoaense é o próprio maestro Rafael Daniel Huch. “O Projeto de Formação Musical através do Canto Coral, que deu origem ao Coral Vozes da Babitonga, foi aprovado pela Lei Rouanet, do Ministério da Cultura, e tem o patrocínio do Porto Itapoá, bem como o apoio da Prefeitura local, que cede a Casa da Cultura para os ensaios”, conta.


O maestro também comenta o funcionamento de um Coral. “A voz humana é o primeiro instrumento musical que todos temos acesso e é por essa via que resolvemos desenvolver nosso projeto; através da voz e do canto, realizar uma formação musical, que é complementada com exercícios de técnica vocal e aulas de linguagem (teoria musical). A voz humana é fantástica, e cada uma tem sua particularidade. Entretanto, para trabalhar em coro, classificamos a voz em masculinas e femininas. No coral, temos as vozes femininas como sopranos (mulheres com voz aguda) e contraltos (mulheres com voz grave). As vozes masculinas são os tenores (homens com voz aguda) e baixos (homens com voz mais grave). Poderia comparar a estrutura do coral com o corpo humano, em que os baixos seriam os pés e pernas (sustentação e apoio), os sopranos seriam a cabeça (onde geralmente se encontra a melodia - o que primeiro se percebe ao ouvir uma música), e os tenores e contraltos seriam o tronco e os braços, que possibilitam movimentos e interação entre todos os membros. No coral, todas as vozes têm a mesma importância, pois o ‘som’ do coro só é possível com todas essas vozes soando simultaneamente”, explica Rafael Daniel Huch.


SERVIÇO

O quê: 1ª apresentação do Coral Vozes da Babitonga, intitulada "Cantar é Preciso";
Quando: às 20h00min do dia 16 de outubro de 2015;
Onde: na Casa da Cultura de Itapoá (Rua VII do Loteamento Príncipe, entre as ruas II e III).
Quanto: evento aberto ao público, com entrada gratuita.



Thiago Gusso - Jornalista DRT/PR 6562
Assessor de Imprensa - Coral Vozes da Babitonga

 

 

 

Orquestra Prelúdio colocou Itapoá no tom

Avaliação do Usuário

orquestratom

A manhã deste sábado, dia 05 de setembro, teve um gostinho diferente para quem compareceu à Casa da Cultura de Itapoá e prestigiou a apresentação intitulada “Mozart – Essência e Música” da Orquestra Prelúdio de Joinville.

 

A vinda do grupo, que emocionou o ótimo público presente, foi intermediada pela Escola de Música Tocando em Frente, que contou com o apoio da Prefeitura de Itapoá.

Foi a primeira vez que uma orquestra se apresentou no Município interpretando o repertório de Mozart. O transporte e a alimentação dos integrantes do grupo foram viabilizados pela Secretaria de Turismo, Meio Ambiente e Cultura de Itapoá.

Ao iniciar o evento, o diretor de Cultura do Município, fez uma breve apresentação sobre a orquestra. Entre uma música e outra, muita carismático, o maestro Rafael Huch explicava ao público o funcionamento da orquestra, a história de Mozart e aspectos gerais sobre as músicas interpretadas, deixando a apresentação ainda mais rica.

O ponto alto do evento foi a canção Aleluia, com a participação especial da soprano Karla Cristina Ziemer, quem emocionou o público com sua bela vez. Ao final, inclusive, houve um direito a “bis” da apresentação da Orquestra com a participação da soprano. O maestro da Orquestra Prelúdio de Joinville, que também é regente do Coral Vozes da Babitonga (de Itapoá), convidou todo o público para assistir à primeira apresentação desse coro, que ocorrerá no dia 16 de outubro, também na Casa da Cultura.

Sobre a Orquestra Prelúdio de Joinville

A orquestra Prelúdio atua há cinco anos em Joinville e é mantida através de patrocínios pela lei de incentivo fiscal à cultura daquele município.

São 25 músicos e o já conhecido maestro Rafael Huch, que também rege o Coral Vozes da Babitonga (patrocinado pelo Porto Itapoá).

No evento em Itapoá, a Orquestra apresentou, aos itapoaenses, o resultado de um trabalho musical feito com o afinco de todos e com o patrocínio do Simdec (Sistema Municipal de Desenvolvimento pela Cultura de Joinville).

 

da Tribuna com fotos do Thiagão

Orquestra Prelúdio se apresenta em Itapoá

Avaliação do Usuário

orquestra

Desde março de 2011, estudantes e profissionais da música exercitam a prática musical em conjunto e formam a Orquestra Prelúdio de Joinville. O grupo se apresenta regularmente interpretando grandes obras do repertório clássico e também popular. Tendo a aproximação com o público como um de seus objetivos principais, a Orquestra realiza apresentações gratuitas na forma de concertos didáticos e ensaios abertos, incentivando e desenvolvendo a apreciação da música erudita.

A direção musical e regência é do maestro Rafael Daniel Huch. Natural de Joinville, bacharel em Composição e Regência pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná e pós graduando em Gestão Musical em Contexto Comunitário pelo Instituto Superior de Ivoti (RS). Atua também como professor de regência, coral e harmonia na Escola de Música Villa Lobos e está à frente de quatro corais em Joinville, onde tem se destacado por seu dinamismo e competência. Em Itapoá, assumiu recentemente a regência do coral Vozes da Babitonga, grupo patrocinado pelo Porto Itapoá.

O projeto Mozart, essência e música tem o objetivo de difundir a música erudita através das composições de Mozart, nas diversas formas musicais, incentivar a formação de platéia, e levar ao público informações e curiosidades sobre o compositor e suas obras.

Para este concerto teremos a participação especial da cantora lírica Karla Cristina Ziemer.

O programa será este:

Divertimento em Dó Maior, KV 136
Sinfonia 12 em Sol Maior, KV 110
Alleluia, KV 165
Eine Kleine Nachtmusik, KV 525
Der Hölle Rache, KV 620.

orquestra1

Primeiro passo em direção a lei de apoio a cultura em Itapoá

Avaliação do Usuário

artista1

 

No dia 24 de agosto de 2015, aconteceu em Itapoá a primeira indicação do legislativo para a necessidade de se formular uma lei municipal de incentivo fiscal de apoio a cultura. A convite do vereador Geraldo Weber o diretor da Escola de Música Tocando em Frente, Helmuth Kirinus, contou um pouco da recente e até então inédita experiência do projeto cultural através da lei Rouanet de incentivo fiscal em Itapoá.

 

O Projeto realizado através do Governo Federal através da lei de incentivo e patrocinado pelo Porto de Itapoá vem demonstrando ser uma excelente alternativa para as dificuldades enfrentadas pelos profissionais do setor da arte e cultura no país, assim como no município. O Projeto que através da contratação do maestro Rafael Daniel Huch inaugurou o primeiro grande coro da cidade, ”Vozes da Babitonga,” conta com 50 vozes e vem realizando ensaios semanais na Casa da Cultura de Itapoá gentilmente cedida pelo município. Esta experiência despertou o interesse dos artistas e agentes culturais da cidade que compareceram a primeira indicação de uma formulação da lei de incentivo municipal de apoio a cultura.

 

Nesta lei um percentual dos impostos e tributos municipais poderiam, a exemplo da lei Rouanet ou das leis municipais de outras cidades, ser destinado a um fundo municipal de apoio cultura ou diretamente a projetos legitimamente culturais previamente aprovados por uma comissão competente. Para apoiar esta indicação e acompanhar a partir desta data o seu andamento fizeram-se presentes na câmara de veadores representantes da Assoaciação de Músicos de Itapoá - AMI, a instrutora do grupo de estudos teatrais Daniella Pagnoncelli e 17 coralistas do coral Vozes da Babitonga.

 

Fica evidente neste fato a comprovação do interesse e mobilização do setor cultural da cidade na indicação desta lei. Ressaltasse que a execução de projetos artísiticos-culturais viabilizados por uma lei de incentivo podem contribuir para melhorias nas mazelas de nossa sociedade presentes na falta de recursos para a própria cultura, para a educação, para a redução da criminalidade e violência, estas atividades proporcinam a melhoria da qualidade de vida que proporcinam melhorias na saúde, além de gerar trabalho e renda.

 

Para transformar a realidade de uma cidade é preciso transformar primeiro o indivíduo, já dizia o provérbio chinês. Não existe nada melhor para contribuir no aprimoramento deste do que a arte e a cultura. Somente ela pode transformar o indivíduo em cidadão, a injustiça em alternativa de transformação social, o lamento em melodia, a violência em arte. Que a busca de aperfeiçoamento presente e transmitida através da arte nunca chegue ao fim não é motivo para não busca-lo. Como disse Eduardo Galeano ‘ dou um passo e o horizonte afastasse um passo, dou 10 passos e o horizonte afastasse 10 passos.

 

Para que serve a Utopia? Serve para isso, serve para caminhar! Dia 24 de agosto demos um primeiro passo. Em frente!

 

Helmuth Alfonso Kirinus. 
Fotos: Thiago Gusso

 

artista2


artista3

 

artista4

 

 

 

 

Coral Vozes da Babitonga abre vagas para vozes masculinas

Avaliação do Usuário

 1 vozes Small

 

O Coral Vozes da Babitonga patrocinado pelo Porto Itapoá e coordenado pela escola de música Tocando em Frente vem, desde o dia 31 de julho, realizando aulas-ensaio todas as sextas feiras na Casa da Cultura de Itapoá.

 

A iniciativa viabilizada pela lei Rouanet de incentivo a cultura selecionou 53 vozes dos 73 inscritos em entrevista realizada pelo maestro Rafael Huch. Devido a grande demanda de vozes femininas, a pedido do Maestro, abre-se agora do dia 17/08 a 27/08 as inscrições para seleção de mais vozes masculinas.

 

As entrevistas acontecerão dia 28/08 às 18hs. São 10 vagas que poderão ser preenchidas por aqueles que forem aprovados na entrevista.

 

 

Escola de Música Tocando em Frente