Que tal passar um dia na Reserva Volta Velha?

Avaliação do Usuário

VOLTAVELHA1PEQ

Conhecer a Mata Atlântica, como funciona um viveiro florestal educador e produzir mudas de árvores nativas também fazem parte das iniciativas do Porto Itapoá, através do projeto Itapoá Sempre Verde. Desenvolvido em parceria com a Associação de Defesa e Educação Ambiental – ADEA, o projeto já iniciou as atividades desse ano e está com as inscrições abertas.

Esse projeto é desenvolvido dentro da Reserva Volta Velha, no viveiro florestal educador construído no local. Os visitantes aprendem a produzir mudas, conhecem a Mata Atlântica, fazem trilhas interpretativas e muitas outras atividades.

Iniciado no ano passado, o projeto Itapoá Sempre Verde conta com duas modalidades: a visita de alunos da rede municipal de ensino e a visita da comunidade em geral. Para esse ano, as visitas para a comunidade serão mensais: todo último sábado de cada mês, das 8h às 13h.

Para cada visita são disponibilizadas 20 vagas. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas através da Ouvidoria Social do Terminal, pelo 0800-674-558.

A primeira visita será no dia 28 de abril. Inscreva-se e participe!

VOLTAVELHA2PEQ

ICMBio oficializa a criação de Reserva Natural a partir da compensação ambiental do Porto Itapoá

Avaliação do Usuário

reservamenor

No dia em que se comemorou o Dia Nacional das Reservas Particulares do Patrimônio Natural – RPPNs, dia 31 de janeiro, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio, oficializou a criação da RPPN Volta Velha - Pe. Piet van der Aart, no município de Itapoá.

A Reserva aprovada pelo ICMBio tem 285 hectares e, somada a RPPN Volta Velha, já existente, totalizará 875 hectares, ou 8,75 milhões de m². A primeira área preservada já existe no município desde 1992, com 590 hectares. A RPPN é uma unidade de conservação de domínio privado, gravada com perpetuidade na matrícula do imóvel, com o objetivo de conservar a diversidade biológica.

A nova Reserva é fruto do projeto de compensação ambiental do Porto Itapoá, que, ao suprimir 28 hectares para a ampliação do terminal portuário, compensou em 10 vezes a área suprimida em forma de Reserva Natural.

A RPPN Volta Velha, a partir de agora, passa a ser uma das maiores reservas naturais particulares do Estado de Santa Catarina. No local serão desenvolvidas pesquisas científicas e visitações de cunho ambiental, além de se tornar um importante ativo ambiental do Município de Itapoá.

A parceria realizada entre o Porto Itapoá e a Associação de Defesa e Educação Ambiental – ADEA, juntamente com os proprietários da Reserva, criaram um modelo de extrema relevância para a proposta de compensações ambientais.

Esse projeto foi iniciado em 2015, quando o Porto Itapoá precisava encontrar uma área para compensar os 28 hectares de vegetação que seria suprimida em função da expansão do Terminal. Em negociações com o IBAMA e atendendo a todas as resoluções do Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA, a empresa propôs uma compensação 10 vezes maior do que a área de supressão.

A ideia foi bem aceita pelo IBAMA e, após a validação do órgão, foram iniciadas as negociações com os proprietários da área e a ADEA, que elaborou e executou o Plano de Manejo – etapa preliminar e fundamental para a aprovação da Reserva pelo ICMBio.

Em 2017, com os requisitos técnicos concluídos, o projeto da Reserva foi protocolado no ICMBio e, finalmente, a portaria que formaliza a sua constituição foi publicada no Diário Oficial da União neste dia 31 de Janeiro, em que se comemora o Dia Nacional das RPPNs.

O modelo de “super-compensação” é uma proposta que visa mitigar da melhor forma possível os impactos gerados por supressão vegetal. Além disso, a decisão por concentrar essa área preservada dentro do município de Itapoá, adicionando área e infraestrutura a outra Reserva Natural já existente e ainda contígua a um Parque Municipal – Parque Municipal dos Carijós, traz um valor ainda maior para o projeto, tanto no aspecto ambiental como também nos aspectos social e econômico, pois cria um verdadeiro atrativo para a comunidade e para o público em geral.

Essa compensação adicional voluntária consiste em um entendimento do Porto Itapoá sobre a importância da conservação da Mata Atlântica para a manutenção da biodiversidade, equilíbrio do micro clima e manutenção da qualidade ambiental da região.

Ao todo, foram investidos cerca de R$ 5 milhões no trabalho de compensação ambiental do Porto Itapoá, referente a sua expansão física. Para o projeto específico da compensação que criou a RPPN foram investidos aproximadamente R$ 1,5 milhões. Os demais valores envolvem repasses à Câmara de Compensação Ambiental do IBAMA, Plano de Manejo da RPPN, dentre outros, além de programas estruturais que viabilizaram o processo.

Fatma começa a utilizar drones no licenciamento ambiental

Avaliação do Usuário

Técnicos da Fundação do Meio Ambiente (Fatma) vão utilizar pela primeira vez Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs), conhecidos como drones, no licenciamento ambiental. A ação será nesta quinta-feira, 23, durante vistoria do Complexo Eólico Contestado, em Água Doce, região Oeste do Estado.

“A Fatma foi o segundo órgão brasileiro a implementar a utilização de drones de acordo com as normas do Departamento de Controle do Espaço Aéreo e têm recebido solicitações de outras instituições para ministrar cursos e parcerias”, conta o assessor de auditoria interna da Fatma e responsável pelo projeto, Mario Henrique Vicente.

A Fundação conta com cinco drones. “Vamos adquirir mais 14 nos próximos dias e mais 36 servidores receberão treinamentos. Em breve também teremos um sistema de processamento que vai permitir uma análise completa e mais rápida das imagens captadas”, explica o diretor Administrativo e Financeiro da Fatma, André Adriano Dick. Os veículos aéreos possuem sensor termal e infravermelho que ajudarão na identificação de focos de incêndio, fiscalização de caça ilegal e também no licenciamento. Os equipamentos têm autonomia de 28 minutos.

Histórico dos drones

A Fatma recebeu a autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para utilizar drones em fevereiro deste ano. De acordo com o documento, os equipamentos da Fatma deverão voar no máximo em uma altura de 120 metros e podem pesar até 25 quilos. Todos os usuários têm que ter mais de 18 anos e atender os requisitos exigidos pela Agência. Os treinamentos, teóricos e práticos começaram em junho deste ano, sem prazo para terminar. Os servidores aprendem sobre legislação, segurança, utilização e processamento das imagens captadas. No total, 20 técnicos da Fatma receberam a capacitação inicial. Representantes do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar Ambiental e Epagri também participam dos encontros.

Câmara Técnica

Todo o treinamento é dado pelos membros da Câmara Técnica da Auditoria Ambiental de Precisão e Desenvolvimento e Aplicações do VANT, liderada pelo assessor de Auditoria Interna, Mário Vicente, e formada pelos servidores Carlos Cassini, Diego Hemkmeier, Davi Vieira da Rosa, André Adriano Dick e Adrio Peixoto Centeno. O treinamento também conta com o apoio do capitão Átila Medeiros Sarte, do Corpo de Bombeiros.

Combate ao maruim é tema de reunião em Jaraguá

Avaliação do Usuário

Uma audiência pública para discutir o combate ao maruim será realizada na próxima segunda-feira (27), às 19h, na sede da AMVALI, em Jaraguá do Sul. Participam da reunião pesquisadores, agricultores e a população que tem sofrido com a proliferação deste mosquito. Mais de 50 municípios de Santa Catarina, principalmente na região Norte e Litoral Norte convivem com o inseto.
Um dos palestrantes do evento será o pesquisador Luiz Américo de Souza que desde 2006 faz estudos para encontrar um predador natural do mosquito. Em uma reunião com o deputado estadual Patrício Destro (PSB), presidente da Comissão de Proteção Civil e proponente da audiência, Luiz Américo afirma que tem feito pesquisas com apoio da AMVALI e constatou que a clorofila pura pode ser uma alternativa, pois pelo processo de fotossíntese ela se transforma em um alimento que mata o maruim.
A médica Eva do Nascimento que atende no Posto de Saúde 1, bairro Seminário, em Corupá, conta que principalmente crianças e idosos são os principais prejudicados. “Com a chegada do verão a procura por consulta é ainda maior. A situação é tão crítica que muitas vezes a criança desenvolve uma alergia grave que não é possível tratar apenas com antialérgico. Elas acabam sendo medicadas com antibiótico por apresentarem uma infecção bacteriana e precisam ser encaminhados para especialistas em alergia”. A própria profissional relata que por ser alérgica tem restrições sociais. “Eu não consigo visitar os pontos turísticos da cidade, por exemplo. Os mosquitos estão em todas as partes, salão de beleza, bancos, escolas”, argumentou.
São mais de 1.400 espécies catalogadas do mosquito e a principal dificuldade encontrada por quem estuda o assunto no Brasil e em países como a Alemanha e Portugal é encontrar um produto que seja nocivo a esse inseto. Desde 2006 o assunto é tema de pesquisas no Norte de Santa Catarina e em algumas regiões, principalmente onde há grandes áreas destinadas ao cultivo de banana, é praticamente impossível ficar sem o uso de telas em janelas e portas e repelente.
“Nós queremos ter um avanço nas informações sobre o combate ao maruim, por isso estamos reunindo os pesquisadores e a comunidade. É por meio das reclamações da população que os estudos poderão ser aprofundados em cada área. Não podemos deixar que o mosquito se prolifere ainda mais, pois pode se tornar um problema de saúde pública”, concluiu Patrício Destro.

Serviço
O que: Audiência pública de combate ao maruim
Quando: segunda-feira (27), às 19h
Onde: AMVALI – Rua Arthur Gumz, 88 – Vila Nova – Jaraguá do Sul
Quanto: Gratuito

Prefeitura de Guaratuba anuncia novo mutirão de limpeza

Avaliação do Usuário

A Prefeitura de Guaratuba anunciou, nesta sexta-feira (17), que está realizando um novo mutirão de limpeza e manutenção pela cidade.

No início do ano, foi lançado o projeto “Bairro a Bairro”, que praticamente não passou do primeiro, o Coroados.

De acordo com o site oficial, desta vez participam as secretarias de Obras, do Meio Ambiente e Urbanismo. “A cidade foi dividida em 27 setores e as secretarias irão atuar de forma conjunta, conforme o calendário que está sendo organizado de solicitações e definições de prioridades”.
Entre os serviços anunciados estão roçada, coleta de entulhos, manutenção de calçadas, limpeza da orla, varrição, conserto de rampas, adequação de banheiros, troca de manilhas e pinturas.

Mutirão de notificações

A Prefeitura aproveita para lembrar que “a limpeza, roçada e manutenção das calçadas, passeio, rampas e lixeiras, assim como, limpeza, roçada e retirada de entulhos de terrenos baldios, são de responsabilidade de moradores e proprietários”.

E alerta:

Por Lei (1.173/2005) a Prefeitura pode e deve notificar e multar quem depositar entulhos de qualquer espécie nas calçadas e passeios ou não promover a limpeza e roçadas dos terrenos baldios particulares.

“Após a passagem do mutirão de limpeza e manutenção pelos setores, haverá um mutirão de notificações e multas daqueles imóveis que estiverem irregulares”

Área rural – Dentre as ações da semana, na área rural foi realizado patrolamento em algumas estradas da comunidade do Cubatão. O secretário de Obras, Mário Edson Fischer, percorreu todas as estradas da região fazendo levantamento de necessidades da área rural. Também esteve nesta sexta-feira (17), acompanhado do secretário do Meio Ambiente, Vicente Variani, no Salto do Parati para planejar a reforma da ponte pênsil.

do Correiodolitoral.com