JMDB/SC cai na estrada com o projeto "Juventude Democrática"

Avaliação do Usuário

Liderada pelo presidente estadual, o vereador Paulo Basílio, a JMDB dá início da uma nova fase de mobilização diante das eleições. O projeto "Juventude Democrática" irá percorrer todas as 36 regionais de Santa Catarina, organizando o segmento nos municípios, ouvindo a militância e, principalmente, dando voz para os pleitos dos jovens. “A ideia também é conhecer cases de sucesso conduzidos por jovens e que podem servir de exemplo para todo o Estado”, ressaltou Basílio, que começou a agente nessa quinta-feira pelo Planalto Norte.

Segundo ele, que é parlamentar de Canoinhas, o objetivo principal é ter um diagnóstico de cada região. "Essas informações estarão contidas na ´Carta de Curitibanos´, que será entregue ao presidente estadual, Mauro Mariani, em grande evento realizado no município do Meio-Oeste”, ressaltou o vereador.
O presidente estadual da sigla, Mauro Mariani, destacou que a JMDB terá papel fundamental em atrair os jovens para a política. "O jovem é peça fundamental na construção de um novo rumo para o Brasil e a participação deles é essencial para o surgimento de novas lideranças", disse ele.

A Carta de Curitibanos é uma homenagem ao ex-governador Luiz Henrique da Silveira, que sempre pregou que a JMDB deveria fazer uma grande confraternização naquela cidade por estar centralizada no Estado, dando condições para que todos os jovens catarinenses marcassem presença.

Confira como votaram os deputados de SC na denúncia contra Temer na Câmara

Avaliação do Usuário

Os parlamentares de Santa Catarina estiveram entre os primeiros a votarem sobre a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer na Câmara dos Deputados nesta quarta-feira. Dos 16 deputados que representam o Estado, nove votaram "não", ou seja, não queriam o arquivamento da denúncia. Outros seis votaram "sim" ao relatório, indicando que queriam barrar a investigação, e apenas um, Marco Tebaldi (PSDB), se ausentou.

A denúncia, norteada pelas delações premiadas dos executivos do grupo J&F, controlador da JBS, e do doleiro Lúcio Funaro, só teria prosseguimento se 342 dos 513 deputados votassem a favor dos argumentos apresentados pela PGR. Temer foi denunciado por organização criminosa e obstrução da Justiça. O parecer da denúncia foi aprovado na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), responsável por analisar o inquérito do ponto de vista jurídico.

Confira os votos por ordem alfabética:

Carmen Zanotto (PPS) - Não
Décio Lima (PT) - Não
Esperidião Amin (PP) - Não
Geovania de Sá (PSDB) - Não
João Paulo Kleinubing (PSD) - Não
Jorge Boeira (PP) - Não
Jorginho Mello (PR) - Não
Mauro Mariani (PMDB) - Não
Pedro Uczai (PT) - Não

Celso Maldaner (PMDB) - Sim
Cesar Souza (PSD) - Sim
João Rodrigues (PSD) - Sim
Peninha (PMDB) - Sim
Ronaldo Benedet (PMDB) - Sim
Valdir Colatto (PMDB) - Sim

Marco Tebaldi (PSDB) - Ausente

 

Diário Catarinense

TRE lança 0800 para biometria

Avaliação do Usuário

biometria

Já está em funcionamento o Disque Eleitor do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) de Santa Catarina. Por meio do telefone 0800 647 3888, os eleitores poderão agendar o atendimento para realizar seu cadastramento biométrico. Embora o agendamento seja a prioridadde do serviço, também poderão ser solucionadas outras dúvidas sobre a biometria em geral.

O horário de atendimento do Disque Eleitor é de segunda a sexta-feira pelo site do TRE-SC. No site, podem ser consultadas, ainda, informações diversas, tais como municípios onde está ocorrendo revisão de eleitorado, prazos, documentos necessários para realizar o cadastramento, transferência de município, entre outras.

São 43 municípios de Santa Catarina passando por revisão de eleitorado e, nessas cidades, o comparecimento dos eleitores é obrigatório. O eleitor que não comparecer no prazo estipulado poderá ter seu título eleitoral cancelado e, consequentemente, também o seu CPF, além de estar sujeito a uma série de outras sanções. Para os eleitores de Itapoá e Garuva, a data limite é o dia 27 de outubro.

A biometria é um método tecnológico que permite reconhecer, verificar e identificar uma pessoa por meio de suas impressões digitais, que são únicas. A tecnologia foi implementada na Justiça Eleitoral com o objetivo de previnir fraudes e tornar as eleições brasileiras ainda mais seguras, uma vez que a identificação biométrica torna inviável que um eleitor tente se passar por outro no momento da votação.

 

Da Assessoria de Comunicação Social do TRE-SC, com adaptações da Tribuna de Itapoá.

Revisão do eleitorado Itapoá - Reta Final

Avaliação do Usuário

identificação biometrica

Comparecimento Obrigatório. Aproveite que a Justiça Eleitoral está em Itapoá até 27 de outubro de 2017.

AGENDE SEU ATENDIMENTO PELO SITE: www.tre-sc.jus.br

Caso não tenha acesso à internet, faça o agendamento do atendimento nos seguintes locais: Câmara de Vereadores, CDL, Colônia de Pescadores, Sindicato Rural, Prefeitura (Cidadania e Recepção) e Secretaria de Assistência Social.
Posto de atendimento em Itapoá:Auditório da EEB Nereu Ramos, Av. Pérola do Atlântico, 256, Itapema do Norte.
Horário: das 9h às 17h, de segunda a sexta-feira, sem fechar para almoço.
O que levar?
• Documento de identificação com foto, Título (caso possua)
• Comprovante de residência(últimos 3 meses) –O comprovante deverá estar em nome do eleitor ou de seu cônjuge ou companheiro (apresentação de comprovante da união estável) e parente, até o 3.º grau (por exemplo, tios). Exemplos: contas de luz, água ou telefone, escritura pública de propriedade, CTPS, contracheque ou folha de pagamento; envelopes de correspondência; cheque bancário, se dele constar o endereço; comprovante de matrícula em instituições de ensino; documentos expedidos pelo INCRA; notas de produtor rural; Declaração de Aptidão ao Pronafe (DAP); contrato de aluguel de imóvel ou de arrendamento rural registrado em Cartório; IPVA para o ano em curso – Portaria 105.ªZE n. 01/2017.
Após 27/10, o atendimento para regularização do título será em Joinville.


por Juliana Teixeira Warmling - Chefe de Cartório e Analista Judiciário
105.ª Zona Eleitoral - Joinville

A capital seria Lages e a moeda seria o pila, diz fundador de movimento separatista do Sul

Avaliação do Usuário

celso sulito1
Plebiscito informal, com 3 mil urnas espalhadas por 960 cidades, vai perguntar no sábado se os participantes querem que RS, SC e PR formem um país independente.

Depois do conturbado referendo pela independência da Catalunha, a equipe de voluntários que defende a separação da Região Sul do restante do Brasil dobrou de tamanho. É o que diz um dos fundadores do movimento O Sul É o Meu País, o jornalista catarinense Celso Deucher, 50 anos.

Ele prevê 32 mil pessoas ajudando a organizar o plebiscito informal – portanto, sem validade legal – marcado para o próximo sábado. Em 3 mil urnas espalhadas por 960 cidades dos três Estados do Sul, os participantes responderão à pergunta: "Você quer que Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul formem um país independente?". Os locais de votação podem ser consultados aqui.

Não consigo levar a sério essa ideia de vocês. Por que me sinto assim?

Porque o tema é difícil de ser compreendido, não é qualquer um que consegue entender quando falo em federalismo ou em papel do Estado. Mas, quando cito exemplos de como Brasília nos trata mal, as pessoas começam a compreender.

Será que os gaúchos apoiariam um país com um presidente paranaense?

Se Deus quiser, não teremos presidente. Teremos primeiro-ministro, porque o nosso negócio é parlamentarismo. Presidencialismo é quase monarquia, o cara se elege e vira rei. Haverá um rodízio entre os três Estados, e o Rio Grande também terá seu primeiro-ministro.

O passivo desses três Estados com a União ultrapassa R$ 75 bilhões. Como vamos pagar essa dívida externa?

Bem simples: vamos botar na mesa quanto devemos para a União e quanto a União deve para nós. Entre 2011 e 2016, os três Estados mandaram para Brasília R$ 800 bilhões em impostos. E retornaram só R$ 160 bilhões. Então, nós damos de relho neles, porque nos roubaram mais de R$ 600 bilhões. O Brasil é que vai nos dever uma boa grana.

Falando em grana, o nome da moeda tem de ser pila. Paranaenses se oporiam?

Não, inclusive lançamos no mês passado, no 25º Congresso Nacional do movimento O Sul É o Meu País, o pila como nossa futura moeda. Estou falando sério. Na nota de um pila, o homenageado é Guairacá. Na de cinco pilas, Sepé Tiaraju. Na de 10 pilas, Bento Gonçalves e, na de 20 pilas, Anita Garibaldi.

As piadas que gaúcho faz com catarinenses deverão ser abolidas?

Não, é legal a gente rir pelas costas um do outro. Nós também temos um monte de piadinha de gaúcho. O que não dá para tolerar são piadas racistas ou aquelas que o Casseta & Planeta fazia, dizendo que gaúcho é veado, porque isso desvaloriza o povo.

Qual seria o nome do país?

Não discutimos isso, embora na nossa documentação oficial esteja União Sul-Brasileira. O foco do movimento é defender o direito das pessoas de quererem ser separatistas, algo que há 20 anos dava até cadeia.

E qual seria a capital?

Nossa ideia é que a capital administrativa, por estar no centro do território e perto de tudo – o que seria importante para concentrar os Três Poderes, as Forças Armadas e essa coisarada toda –, seja Lages (SC).

O senhor é catarinense. Não está puxando a brasa para o seu lado?

Não, Lages é até meio gaudéria! Porque na colonização, antes de chegar ao Rio Grande, a xiruzada toda passava por Lages, e até hoje dizem que os gaúchos mais cansados ficaram por lá.

Que fim levou o Sulito, aquele mascote de vocês?

Ainda existe. É que tem certas piadas que não são legais. Era um bonequinho com duas perninhas, mas um filho da mãe que só pensa em sexo enxergou um pinto ali, na Lagoa dos Patos, aí virou piada. No fundo, até divulgou o movimento, mas achei a piada de mau gosto.
Depois do conturbado referendo pela independência da Catalunha, a equipe de voluntários que defende a separação da Região Sul do restante do Brasil dobrou de tamanho. É o que diz um dos fundadores do movimento O Sul É o Meu País, o jornalista catarinense Celso Deucher, 50 anos.

Ele prevê 32 mil pessoas ajudando a organizar o plebiscito informal – portanto, sem validade legal – marcado para o próximo sábado. Em 3 mil urnas espalhadas por 960 cidades dos três Estados do Sul, os participantes responderão à pergunta: "Você quer que Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul formem um país independente?". Os locais de votação podem ser consultados aqui.

Não consigo levar a sério essa ideia de vocês. Por que me sinto assim?

Porque o tema é difícil de ser compreendido, não é qualquer um que consegue entender quando falo em federalismo ou em papel do Estado. Mas, quando cito exemplos de como Brasília nos trata mal, as pessoas começam a compreender.

Será que os gaúchos apoiariam um país com um presidente paranaense?

Se Deus quiser, não teremos presidente. Teremos primeiro-ministro, porque o nosso negócio é parlamentarismo. Presidencialismo é quase monarquia, o cara se elege e vira rei. Haverá um rodízio entre os três Estados, e o Rio Grande também terá seu primeiro-ministro.

O passivo desses três Estados com a União ultrapassa R$ 75 bilhões. Como vamos pagar essa dívida externa?

Bem simples: vamos botar na mesa quanto devemos para a União e quanto a União deve para nós. Entre 2011 e 2016, os três Estados mandaram para Brasília R$ 800 bilhões em impostos. E retornaram só R$ 160 bilhões. Então, nós damos de relho neles, porque nos roubaram mais de R$ 600 bilhões. O Brasil é que vai nos dever uma boa grana.

Falando em grana, o nome da moeda tem de ser pila. Paranaenses se oporiam?

Não, inclusive lançamos no mês passado, no 25º Congresso Nacional do movimento O Sul É o Meu País, o pila como nossa futura moeda. Estou falando sério. Na nota de um pila, o homenageado é Guairacá. Na de cinco pilas, Sepé Tiaraju. Na de 10 pilas, Bento Gonçalves e, na de 20 pilas, Anita Garibaldi.

As piadas que gaúcho faz com catarinenses deverão ser abolidas?

Não, é legal a gente rir pelas costas um do outro. Nós também temos um monte de piadinha de gaúcho. O que não dá para tolerar são piadas racistas ou aquelas que o Casseta & Planeta fazia, dizendo que gaúcho é veado, porque isso desvaloriza o povo.

Qual seria o nome do país?

Não discutimos isso, embora na nossa documentação oficial esteja União Sul-Brasileira. O foco do movimento é defender o direito das pessoas de quererem ser separatistas, algo que há 20 anos dava até cadeia.

E qual seria a capital?

Nossa ideia é que a capital administrativa, por estar no centro do território e perto de tudo – o que seria importante para concentrar os Três Poderes, as Forças Armadas e essa coisarada toda –, seja Lages (SC).

O senhor é catarinense. Não está puxando a brasa para o seu lado?

Não, Lages é até meio gaudéria! Porque na colonização, antes de chegar ao Rio Grande, a xiruzada toda passava por Lages, e até hoje dizem que os gaúchos mais cansados ficaram por lá.

Que fim levou o Sulito, aquele mascote de vocês?

Ainda existe. É que tem certas piadas que não são legais. Era um bonequinho com duas perninhas, mas um filho da mãe que só pensa em sexo enxergou um pinto ali, na Lagoa dos Patos, aí virou piada. No fundo, até divulgou o movimento, mas achei a piada de mau gosto.

celso sulito

 

EM ITAPOÁ
O município possui 1 Urna em um Local Fixo de Votação:
Calharia Piva - Rua Walter Crisanto, 114 - Itapema do Norte − Itapoá/SC.
Código da Urna: 4438-001.
Horário de Funcionamento: 8:30h até 17:00h.

 

A Notícia; Gazeta
Legenda: O jornalista catarinense Celso Deucher, 50 anos, um dos fundadores do movimento O Sul É o Meu País
Foto: Arquivo pessoal / Arquivo pessoal